Sou o Gaspar e tenho 25 anos. Mas escrever isto é dizer o óbvio e do óbvio ninguém gosta. Por isso, vamos ao resto?

Gosto de comunicar e é isso que faço no dia a dia. Desde 2009 com o novo acordo ortográfico e sempre à procura de colocar as mais variadas histórias em palavras e de as contar em vários suportes, com uma atenção especial para a web. Porque “quem conta um conto, acrescenta um ponto”, vamos lá tornar a próxima tão ou mais especial do que a anterior.

E por falar em histórias, aqui fica uma: quando era pequenino apaixonei-me. Falo dos tempos em que os meus pais ainda me levavam à natação. Não sei se foi a primeira vez que aconteceu, mas foi a que me marcou. Amor à primeira vista naquele final de tarde: de um lado ao outro, as bolas amarelas não paravam de saltar e eu já não lhes tirei os olhos de cima. E a partir daí a minha vida mudou. Porque na verdade nunca mais deixei de as seguir e a paixão cresceu, cresceu, cresceu (tal como eu). Entretanto, muito aconteceu. Primeiro peguei numa raquete, depois passei a ter na esquerda a minha melhor pancada e fui ao meu primeiro torneio. Uns anos mais tarde, inspirado por um Estoril Open inesquecível e uma final que dificilmente algum português esquecerá, criei o Ténis PortugalEstava, claro, longe de imaginar o seu futuro — e ainda mais longe de o ver tornar-se naquilo que é hoje. Uma nova versão, renovada, mais completa e pensada, sob a forma e nome de Raquetc. As memórias (e muitos anos de trabalho) estão no primeiro link; já a atualidade, está no segundo.

Ao mesmo tempo, sou responsável pelas redes sociais do Millennium Estoril Open e durante o torneio pela informação no website e revista impressa (“Primeiro Serviço”). Ahhh, e não há semana como essa. Durante aqueles 9 dias o ar cheira à terra batida acabada de regar, entre os aplausos ouvem-se os ressaltos das bolas e ponto a ponto constroem-se histórias inesquecíveis.

Pelo meio, escrevi sobre música no Espalha-Factos, cultura na ESCS MAGAZINE e licenciei-me em Audiovisual e Multimédia pela Escola Superior de Comunicação Social, entretanto a minha segunda casa — mas já lá vamos. Porque depois da ESCS cheguei à Fullsix. E cheguei em ambiente de festa. O golo inesquecível do Éder tinha acontecido há menos de 48h e pelos caminhos entre Belém e Oeiras ainda os cânticos ecoavam mesmo nas ruas mais isoladas. Se o Éder marcou um golo que nunca mais esquecerá, eu, que sempre gostei de criar e comunicar, dei os primeiros passos como Motion Graphic Designer no departamento mais divertido que se pode imaginar numa agência criativa.

Depois, surgiu um novo desafio com uma volta de 180º que me fez regressar à ESCS como Professor Assistente Convidado das unidades curriculares de Laboratório de Produção de Conteúdos e Laboratório de Comunicação Multimédia e voltei a ser aluno (não somos sempre?) para frequentar o Mestrado em Jornalismo na NOVA FCSH.

Em 2019 adicionei o taco de golfe ao saco de desporto e comuniquei o Portugal Masters nas redes sociais.